19/07/2021 – Destaque Econômico

Prévia da inflação de julho e arrecadação serão os destaques da agenda local.

  • Nesta semana, conheceremos o resultado do IPCA-15 deste mês, que deverá variar 0,68%, reforçando a dinâmica desfavorável da inflação de curto prazo. Sem data específica para divulgação, os dados da arrecadação federal de junho devem continuar refletindo a retomada da atividade econômica. No exterior, o foco estará voltado para a decisão de política monetária do Banco Central Europeu, que deverá ajustar sua orientação para os próximos meses, após anunciar mudanças nas estratégias (que agora indicam uma meta simétrica de inflação de 2%), e para as prévias dos índices PMI dos países europeus, para os quais esperamos continuidade da melhora do setor de serviços.

Nos EUA, composição das vendas do comércio varejista no mês passado está ligada à reabertura econômica.

  • Em junho, as vendas do varejo cresceram 0,6% ante maio, surpreendendo positivamente o mercado, que esperava queda de 0,3% na margem. Na comparação interanual, as vendas avançaram 18,0% e seguiram bem acima do patamar pré-pandemia. Dentre as aberturas, destaque positivo para o desempenho das lojas de eletrônicos. As categorias de móveis e materiais de construção, que foram anteriormente beneficiadas pelo isolamento social, recuaram na margem. Por outro lado, vestuário e vendas em restaurantes e bares, mais sensíveis à reabertura econômica, cresceram 2,6% e 2,3% ante maio, respectivamente. Para os próximos meses, o consumo de bens deve, aos poucos, dar espaço para serviços. Ainda assim, entendemos que as vendas do varejo seguirão acima do patamar pré-pandemia, com a retirada gradual dos auxílios do governo e com o gasto de parte da poupança formada durante a pandemia.

Mercados iniciam semana no campo negativo, com variante delta no radar

Investidores monitoram o recrudescimento da pandemia em alguns países, especialmente no sudeste asiático, e seus impactos sobre o processo de reabertura da economia global. Nesta manhã, os mercados acionários operam em queda e o dólar se fortalece ante as demais moedas. Já os preços do petróleo recuam após a Opep+ anunciar a decisão de aumentar a produção mensal em 400 mil barris por dia a partir do mês que vem. Com essa decisão, o corte de 9,7 milhões de barris por dia no início da pandemia continuou gradualmente sendo revertido e a produção do grupo agora é de 5,8 milhões de barris por dia menor do que antes do início da pandemia.

Fonte: Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Bradesco

Notícia selecionada por Meirelles e Meirelles Advogados – Empresarial Limeira