18/05/2021 – Destaque Econômico

Saldo comercial segue elevado, impulsionado pelas vendas de commodities.

  • Na segunda semana de maio, a balança comercial registrou superávit de US$ 2,9 bilhões, resultado entre US$ 7,1 bilhões das exportações e US$ 4,2 bilhões das importações. Os embarques, que cresceram 62% na média diária em relação a maio do ano passado, se mantêm elevados, com destaque para as vendas de produtos básicos – em especial, soja e celulose, acima da sazonalidade. As importações também mantiveram ritmo positivo, crescendo 43,8% na média diária, sobretudo pelas compras de combustíveis e peças automotivas. Por fim, a balança comercial acumula superávit de US$ 4,8 bilhões em maio e de US$ 23 bilhões no ano.

Atividade econômica na Área do Euro e no Japão foi impactada pelo recrudescimento da pandemia no primeiro trimestre, mas riscos tendem a se dissipar à frente, com avanços na imunização e manutenção de estímulos econômicos.

  • . Na união monetária, o PIB registrou contração de 0,6% no primeiro trimestre, comparativamente ao período anterior. Essa taxa preliminar para o período ficou próxima à queda de 0,7% divulgada no quarto trimestre e ficou alinhada com o esperado. Na desagregação por países, destaque para as quedas de 1,7% e de 3,3%, registradas na Alemanha e em Portugal, respectivamente. Os dados iniciais para o segundo trimestre, como o índice PMI, apontam para retomada, ainda que desigual entre os países, por conta de preocupações ainda existentes com a pandemia, como na Alemanha. No Japão, o PIB recuou 1,3% no mesmo período, taxa muito próxima à estimativa de -1,2%. Essa queda, que veio após dois trimestres de alta, também foi influenciada pelo recrudescimento da pandemia no período. Os dados iniciais do segundo trimestre também apontam para recuperação moderada em abril. Contudo, a retomada deverá ser postergada nesse caso, por conta da imposição de uma nova rodada de restrições à mobilidade no final do mês passado, em um contexto de aumento do número de casos e de hospitalização por Covid-19.

Aversão ao risco perde força e mercados operam no campo positivo nesta terça-feira.

Expectativas de reabertura econômica em vários países, diante de progressos na vacinação, impulsionam os negócios nesta manhã. Bolsas europeias e índices futuros norte-americanos operam em alta, enquanto o dólar se enfraquece ante as demais moedas. Na mesma direção, os preços do petróleo e das demais commodities avançam. Contudo, os ganhos são limitados pelas preocupações com o avanço da pandemia na Ásia e com a disseminação de variantes do vírus.