15/06/2021 – Destaque Econômico

Crescimento da economia brasileira em abril confirmou a resiliência da atividade

  • Conforme divulgado ontem pelo Banco Central, o IBC-Br, proxy mensal do PIB, avançou 0,44% na passagem de março para abril. Esse resultado reverteu parcialmente a queda de 1,6% registrada no mês anterior. Na comparação interanual, o indicador registrou alta de 15,9%. O Banco Central não divulga as aberturas do índice, mas as pesquisas do IBGE sugerem que comércio varejista e setor de serviços contribuíram positivamente para o resultado. A indústria, por sua vez, registrou desempenho negativo no período, refletindo principalmente a falta de insumos. Contudo, indicadores correntes apontam que a recomposição de estoques do setor vem gradualmente ganhando força, o que é compatível com crescimento da produção industrial nos próximos meses. De fato, o Índice de Confiança do Empresário Industrial, elaborado pela CNI, avançou na passagem de maio para junho, puxado pelo componente de expectativas e, principalmente, pelo de situação atual.

Saldo comercial segue positivo, impulsionado por exportações de commodities

  • Na segunda semana de junho, a balança comercial acumulou superávit de US$ 2,8 bilhões, resultado entre US$ 7,4 bilhões das exportações e US$ 4,6 bilhões das importações. Com isso, a balança acumula saldo positivo de US$ 11,7 bilhões neste mês. As exportações continuam em alta, com destaque para as vendas de minério de ferro, petróleo e soja, acima da sazonalidade. A elevação dos preços das commodities e a recuperação da demanda internacional explicam esse movimento das exportações. As importações, por sua vez, também seguem em recuperação ao relação ao ano passado, puxadas sobretudo pelas compras de combustíveis, fertilizantes e peças automotivas.

Mercados operam no campo positivo nesta terça-feira.

Os mercados acionários e os preços do petróleo avançam, diante da perspectiva favorável para o crescimento global. Contudo, as preocupações com a inflação global limitam os ganhos e o dólar se fortalece ante as demais moedas. Na Alemanha, o índice de preços ao consumidor avançou 0,5% em maio ante abril. Na comparação anual, a elevação chegou a 2,5% – a maior desde setembro de 2011. Na Área do Euro, as exportações caíram 2,3% na passagem de março para abril, ao passo que as importações cresceram 2,4%, já descontados os efeitos sazonais.

Fonte: Departamento de Pesquisas e Estudos e Econômicos Bradesco

Notícia selecionada por Meirelles e Meirelles Advogados – Empresarial Limeira