14/07/2021 – Destaque Econômico

Recuperação do setor de serviços ganhou força em meio à reabertura gradual da economia.

  • Em maio, o volume de serviços prestados às famílias e empresas cresceu 1,2% em relação a abril, conforme divulgado ontem pelo IBGE. Na comparação interanual, houve alta de 23,0%. Três dos cinco segmentos pesquisados avançaram na margem, com destaque para a categoria de serviços prestados às famílias, a mais sensível às restrições à mobilidade e, portanto, a mais atrasada na recuperação. Em resumo, o resultado refletiu a maior grau de flexibilização das medidas de distanciamento social, diante do controle da pandemia e do avanço da vacinação. Embora o índice agregado de volume real de serviços da Pesquisa Mensal de Serviços tenha retornado ao patamar pré-pandemia, ainda há diferenças setoriais relevantes, que devem ser gradualmente reduzidas.

Inflação nos EUA seguiu pressionada no mês passado, refletindo principalmente fatores transitórios.

  • O índice de preços ao consumidor avançou 0,9% entre maio e junho, acumulando alta de 5,4% em doze meses. O resultado veio acima do esperado (+0,5%) e representa uma aceleração em relação ao avanço de 0,6% em maio. Os preços de bens industriais, principalmente veículos novos e usados, continuaram pressionados, refletindo choques de oferta. Contudo, o resultado de junho mostrou avanço da inflação também em categorias ligadas à reabertura econômica, como alojamento e alimentação fora do domicílio, diante dos avanços na imunização da população em meio ao elevado grau de estímulos lançados na economia. Nos próximos meses, os riscos inflacionários devem se manter presentes. A discussão da diminuição de estímulos monetários por parte do Federal Reserve já foi começada, mas o início de fato da redução das compras de ativos, bem como a elevação da taxa de juros, deve levar algum tempo, até que se tenham dados suficientes do mercado de trabalho e da evolução da inflação.

Mercados operam no campo negativo nesta quarta-feira, refletindo preocupações com a inflação global.

A alta maior do que a esperada no índice de preços ao consumidor dos EUA ontem alimentou os temores dos investidores com relação à possibilidade de antecipação do aperto da política monetária em vários países, especialmente nos EUA, em meio à recuperação da economia mundial ainda em curso. Nesta manhã, os mercados acionários recuam e o dólar não apresenta direção única frente às demais moedas. Mais cedo, as bolsas europeias ampliaram as perdas após a produção industrial da Área do Euro recuar 1,0% na passagem de abril para maio, queda mais intensa que a projetada pelo mercado (-0,1%). Já os preços do petróleo operam próximos à estabilidade, levemente no campo negativo, diante das incertezas com a oferta no segundo semestre.

Fonte: Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Bradesco

Notícia selecionada por Meirelles e Meirelles Advogados – Empresarial Limeira