11/11/2020 – Destaque Econômico

Indicadores coincidentes apontam para continuidade da expansão da produção industrial no começo do quarto trimestre.

  • Dois indicadores divulgados ontem apontam para expansão da produção industrial em outubro, ainda que em ritmo inferior ao observado em setembro (+2,6%). O fluxo pedagiado de veículos pesados avançou 0,2% na margem, segundo a ABCR. Já o despacho de cimento, apurado pelo SNIC, cresceu 1,2% no período. Esses dados se somam a outros já conhecidos, como a produção de veículos, corroborando as estimativas de que a produção industrial crescerá pelo sexto mês consecutivo na leitura de outubro, o que é compatível com continuidade da expansão do PIB no quarto trimestre.

Retomada da atividade industrial segue ocorrendo de forma espraiada, mas não similar entre os estados brasileiros.

  • De acordo com o IBGE, a alta de 2,6% da produção industrial em setembro, divulgada alguns dias atrás, foi explicada pela expansão em onze das quinze regiões pesquisadas. Os maiores avanços na margem foram registrados em Amazonas (5,8%), São Paulo (5,0%), Espírito Santo (5,0%), Santa Catarina (4,5%) e Rio Grande do Sul 4,5%). Por outro lado, houve quedas no Pará, Pernambuco, Rio de Janeiro e Mato Grosso. No acumulado entre janeiro e setembro, apenas Pernambuco, Rio de Janeiro e Goiás registram altas, mas há redução das perdas de forma generalizada.

Revisão das estimativas para a produção mundial de grãos sustenta cotações internacionais de soja e milho.

  • O último levantamento do USDA reduziu as projeções para as safras globais de soja e milho, ambas com revisões baixistas da produção dos EUA. Essas estimativas resultam em estoques globais mais baixos do que o esperado, potencialmente pressionando os preços. No relatório, não houve revisão significativa para a safra brasileira. Já o levantamento da Conab revisou ligeiramente para cima as projeções para a safra doméstica de grãos, prevendo crescimento de 4,6% em relação ao último ciclo. A alta é impulsionada pela produção de soja, com expectativa de expansão de 8%. Já para o milho, a Conab projeta crescimento de 2,3% em relação à safra anterior, mas houve uma ligeira revisão baixista em função dos impactos do fenômeno La Niña.

Expectativa de vacinas impulsionam alta nos mercados financeiros.

  • Ainda com impacto das notícias positivas sobre testes com vacinas, os mercados financeiros ganham fôlego. As bolsas asiáticas fecharam predominantemente em alta, tendência seguida pelas bolsas europeias e pelos índices futuros norte-americanos. Nesse contexto, o dólar perde força e as cotações de petróleo avançam, impulsionadas pela expectativa de recuperação econômica e pelas estimativas de redução de estoques da commodity nos EUA.

Fonte: Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Bradesco

Notícia selecionada por Meirelles e Meirelles Advogados – Empresarial Limeira SP